Goa! Amor antes da primeira vista!

Depois de uma longa viagem de 27 horas, chegámos a Goa. 
Como escrevi neste post, Goa é um bom ponto de chegada para quem vai pela primeira vez à India, muito menos caótico que Delhi, Mumbai ou qualquer outra grande cidade, e com um delicioso encanto trópico-colonial. 

Goa foi colónia portuguesa entre 1505 e 1961 e a capital, Panaji (Pangim), não deixa passar desapercebida essa marca de 4 séculos de história. As ruas têm nomes portugueses, as pessoas mais velhas ainda falam um pouco da nossa língua e quando dizemos de onde somos, abre-se imediatamente aquele sorriso franco, tão típico dos indianos. 

O nosso hotel era super central, na rua da Igreja da Nossa Senhora da Imaculada Conceição, mesmo ao lado do Clube Sportinguista de Goa; por isso andávamos a pé para todos os lados e quando não sabíamos bem a distancia, apanhávamos um tuc-tuc. Impossivel esquecer a nossa primeira viagem de tuc-tuc…😍
Além de ter sido a nossa primeira vez na India, foi a nossa primeira vez na Asia; tenho que confessar que o choque foi imenso e profundo. Eu ia com uma ideia romântica de Goa, que não se defraudou, apesar de todas as cenas tristes que são inevitáveis de se ver, simplesmente porque a realidade é assim. 

Por isso digo que começar por Goa foi maravilhoso, já nem me lembro bem quantos dias ficámos em Panaji, acho que 3 ou 4 no total. Mas ficámos o suficiente para nos apaixonarmos por aquelas ruas cheias de árvores imensas a cobrirem os casarões estilo colonial, pelo rio escuro que banha a cidade ou por aquela imagem nunca antes vista, de crianças a jogarem cricket na rua, como as nossas aqui, jogam futebol. 

Fizemos de Panaji o nosso “ponto-base” porque dali partia o voo de regresso à Europa, viajámos de trás para a frente e de cima para baixo; com o devido tempo dadas as gigantescas distâncias. 

Estivemos em Goa duas vezes com um intervalo de 3 semanas; a diferença de quando chegámos para quando voltámos foi abismal. A diferença estava em nós, não na cidade. 

Quando chegámos trazíamos a inocência da primeira viagem, da inexperiência e da estupefação face a uma realidade tao dura e tao diferente. Três semanas depois trazíamos muitas imagens na cabeça, muita informação por assimilar, cheiros, sabores; caras, olhares e sorrisos; uma profunda descontração e uma capacidade de tolerar coisas que até à data seriam intoleráveis. 

No regresso já não nos apetecia mais cidade e rumámos para as praias; felizmente a temporada estava a acabar e restavam poucos turistas em Arambol. O ambiente era magnífico e a energia indescritível, alugámos uma cabana na praia por 6€ a noite e deixámo-nos levar pelas ondas do mar arábico. 

Recordo o caminho de táxi até Arambol, com os olhos fixos na exuberante paisagem e na ausência de infraestruturas. Recordo a deliciosa comida, a imensidão daquele mar, os cães e as vacas na praia, o melhor peixe grelhado de todos os tempos, o chacuti extra-spicy; as conversas com outros cidadãos do mundo; enfim… recordo com saudade tudo e todos, e todos os dias tenho um bocadinho de vontade de voltar àquela praia onde fomos tão felizes.

   
    
    
    
    
    
    
    
    
     

  

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s