A mochila ❤️

Depois de meses de espera, pesquisa e organização; a última parte dos preparativos de uma viagem é fazer a mala.
Preparar a mochila dá-me sempre que pensar, porque nunca quero levar muita coisa, mas seria tão mais fácil se pudesse levar a casa às costas.
Todos os anos acabo por perceber que é possível reduzir ainda mais o conteúdo da minha mochila,
porque realmente quanto menos levar, melhor.

A mochila é algo muito importante, vai andar nas nossas costas durante muitas horas seguidas e há que desenvolver uma relação cómoda com ela. Deve ser transpirável, com os apoios certos para a zona lombar e não ser demasiado grande.

Viajei durante muitos anos com uma mochila de 60L, mas este ano passei para uma de 50L, porque quero carregar o mínimo peso possível e aplicar a regra de que menos é mais, que é 100% verdadeira.

Outra coisa a ter em conta, é que a mochila de preferência tenha duas divisões e feche com zip em ambas; para facilitar o acesso, permitir pôr um cadeado e despachar no porão do avião. A maior parte das mochilas fecha na parte de cima com um cordão, o que não as torna tão seguras.

Quando já encontrámos a mochila que se adapta perfeitamente às nossas necessidades, há que pensar no conteúdo. Eu recomendo comprar aquelas bolsas individuais para arrumar a roupa, há na Decathlon e simplifica-nos a vida quando queremos encontrar algo que está perdido no meio de mil coisas dentro da mochila. Com as bolsas, fica tudo separadinho e organizado.

Uma vez estudado o clima do nosso destino (atenção porque num mesmo país pode variar de norte para sul), devemos escolher a roupa de acordo com o tempo que vamos encontrar e se possível, escolher peças que combinem entre si, para desta forma evitar ter “aquela blusa que só se pode vestir com os outros calções”. Todas as peças devem funcionar umas com as outras, e a comodidade, numa viagem, é muito mais importante do que a elegância.

Por isso, agora faço a mochila para três semanas na Ásia:

Roupa:

– 2 calções (um de ganga e um de tecido)

– 3 blusas de alças

– 2 t-shirts de manga curta

– Roupa interior – 7 cuecas,  2 soutiens e 2 meias

– 2 ou 3 bikinis – Imprescindíveis! Penso estar bastante tempo de molho no Mar da China!

– 1 leggins – Dão sempre jeito, são cómodos para dormir, para algum trekking pelas montanhas ou alguma noite mais fria.

– 1 casaco de fato de treino (ou impermeável caso chova) – Juntamente com os leggings, servem para o frio e também para viagens longas (às vezes o ar condicionado no bus ou no comboio é mais frio que o polo norte).

– 1 saia/ vestido comprido – perfeitos para entrar nos templos / sugestão para os homens, umas calças Thai, finas, leves e cómodas.

– 1 lenço grande, que serve para pôr no pescoço se faz frio e também para estender na areia da praia.

-1 vestidinho curto – não vale a pena levar mais, porque na Ásia acaba-se sempre por comprar alguma coisa.

– Chapéu, óculos de Sol e 1 fita para o cabelo

– Sandálias Birkenstock, uns chinelos e uns ténis.

Vários:

– O kit de primeiros socorros (deste POST )

– Protetor solar (deve-se usar mesmo nas cidades)

– Necessaire: (o básico: escova e pasta de dentes, champô, sabonete, etc)

– 1 rolo de papel higiénico /1 embalagem de toalhetes húmidos

– 1 bolsa estanque impermeável (para pôr o telemóvel e os documentos quando andarmos a saltar de ilha em ilha, ou a passear de kayak no meio dos rochedos de Ha Long Bay. 😍

– 1 cadeado

– 1 toalha de microfibra (ocupa pouco espaço e seca rápido)

– Venda de olhos e tampões para os ouvidos (a Ásia é um continente bastante ruidoso!! Nunca me vou esquecer dos galos de Bali, que cantavam a qualquer hora do dia e da noite) 🙄


– Bolsa interna para levar o dinheiro e passaporte
Dica para quem viaja sozinho (ou acompanhado): Quando fiz o meu primeiro interrail em 1999, a minha mãe coseu na cintura de cada peça, uma bolsa pequenina com zip. Além da tradicional bolsa que se leva por baixo da roupa, tinha sempre uma bolsinha extra que mais parecia uma segunda pele. Os ladrões não estão à espera que sejamos tão precavidos… ou isso espero!
 
– Uma pequena lanterna (porque os apagões na Asia são o pão nosso de cada dia)

– Guia da Lonely Planet + Diário de Viagem e estojo completo

– Um livro para as viagens longas e as tardes na ilha

– Telemóvel, carregador e bateria externa

– Auriculares e alguma série descarregada da netflix , para aguentar um voo até ao outro lado do mundo

– Camara Fotográfica (quase tão importante como o passaporte). Como somos dois a viajar, cada um leva uma (reflex e compacta), e a Gopro levamos para tentar registar o fundo daquele imenso mar tropical.

Nota importante: Podemos ter tudo o que está na mochila connosco, mas se nos falta o passaporte, não vamos a lado nenhum e se já estamos no destino, pode ser uma enorme dor de cabeça. Por isso, recomendo digitalizar e fotocopiar todos os documentos; e espalhar em diferentes partes da mochila.

O Palavras na Barriga vai de férias e volta em Setembro, até lá, podem acompanhar as minhas andanças asiáticas no INSTAGRAM!!

Bom Verão & Boas Viagens!

Kit SOS [para viajar]

Um kit de primeiros socorros pode não ser a primeira coisa em que pensamos quando vamos viajar, mas a verdade é que é algo muito importante. Com o passar dos anos e os carimbos no passaporte, fui identificando aquilo com o qual não posso viver sem, ou as coisas que normalmente não uso, mas que se as tenho num momento crucial, dão imenso jeito.

Hoje partilho o que está dentro do KIT SOS que levo para as minhas viagens, que pode variar dependendo do destino, mas que é sempre imprescindível.

Paracetamol/Ibuprofeno
São medicamentos básicos, fáceis de comprar em qualquer farmácia e que não precisam de receita médica. O importante é ser algo que acabe com uma dor de cabeça que aparece de repente, uma leve febre ou uma dor de músculos, depois de muito caminhar.

NOTA: Se formos para um destino onde há possibilidade de haver mosquitos, não devemos tomar ibuprofeno, porque este mascara os sintomas da malária. Se nos aparecer alguma febre num destino tropical, devemos tomar paracetamol e se não passar depois de 24/48 horas, o melhor é ir ao médico.

Comprimidos para a Diarreia & Envelopes Hidratantes
Inevitavelmente acontece! Se estamos num país onde as condições de higiene são duvidosas, ou se simplesmente a alimentação é mais condimentada do que aquilo a que os nossos intestinos estão habituados, em algum momento podem-se ressentir (para não dizer algo pior).
Na India tivemos uma refeição em que o H., por uma questão de educação, comeu com as mãos; e mesmo que as tenha lavado antes, não conseguiu escapar de uma visita prolongada ao wc. Às vezes o simples facto do nosso organismo não estar habituado a determinadas bactérias, faz com que “La turista” nos visite. Assim é como chamam aqui em Espanha a diarreia das viagens: La turista!
Para compensar ajuda muito se misturamos com água, aqueles envelopes de sais minerais e vitaminas que evitam a desidratação.

Comprimidos para o enjoo e náuseas
Depois de uma viagem de catamarã do Morro de São Paulo para Salvador da Baía, onde todos os assentos do barco tinham um saco de plástico e um rolo de papel higiénico, eu prometi a mim mesma que nunca mais viajava sem o meu querido Vomidrine.
A verdade é que para pessoas que enjoam de barco, carro e bus; como eu, ter estes comprimidos à mão, previne situação desagradáveis; como estar a fazer snorkeling nas ilhas Gili e alguém vomitar em alto mar, ao pé de mais 10 pessoas que tentavam ver as tartarugas e os peixinhos de várias cores. 🙈

Repelente de Mosquitos/ Creme pós mordidela
Evita mordidelas de mosquitos! Penso que está tudo dito!
De qualquer forma, devo dizer que provar os remédios locais também pode ser uma boa ideia. Na Tailândia usava um óleo de coco que funciona como repelente e na India depois de ser atacada por uns quantos mosquitos, comprei uma pomada que era 100 mil vezes melhor do que o fenistil.

Medicação para a azia e para os gases
Não é preciso contar histórias em relação a isto, porque já todos passámos por aqueles momentos, em que comemos demasiado e depois temos o resto do dia arruinado.

Anti-histamínico
Ainda que evite tomar, para quem tem alergias, é imprescindível.

Gel Antibacteriano
Já contei NESTE POST o porquê de não dispensar este item. As razões são obvias, nem sempre temos a possibilidade de lavar as mãos, e se andamos todo o dia de mochila às costas, a subir e a descer de comboios e autocarros, em algum momento vamos precisar de passar as mãos por água.

Creme antisséptico/ Óleo Rosa Mosqueta
Um arranhão ou uma pequena ferida, pode não ser nada de especial; mas se infecta do outro lado do mundo, pode-se tornar um problema. Se faço uma ferida e não tenho água oxigenada nem betadine, lavo com água e sabão e aplico um creme antisséptico ou rosa mosqueta para ajudar a cicatrizar.

Produtos Femininos
Este campo depende um pouco do que cada um está habituado a usar, e apesar de dizerem que o copo menstrual é o melhor que por aí anda, eu ainda não aderi. Por isso, para quem usa tampões, o melhor é levar de casa, porque nem sempre é fácil encontrar. Em relação à higiene, eu aprendi que se nos aparece um mal estar ou uma comichão e não se tem um ginecologista perto, nem os típicos sabões vaginais, o melhor é lavar-se com água e vinagre. Fica a dica!

Também importante: Uma pequena tesoura, gaze, algodão, pensos-rápidos, cotonetes, um termómetro, soro fisiológico, uma lanterna pequena, água oxigenada/betadine, relaxante muscular; e todas as outras “milongas” que usamos em casa para nos aliviar as penas.

Não esquecer:
·        Se vão viajar para destinos com grandes altitudes, talvez seja melhor levar medicação para isso.
·        Se estão solteiros e pensam em estar sexualmente ativos, o melhor é pôr preservativos no Kit. O último “recuerdo” que querem trazer de volta para casa é uma doença infecto-contagiosa.
·        Nunca esquecer de verificar as vacinas antes de partir e se necessário levar cópia do boletim, há países onde não é possível entrar caso não se tenha determinadas vacinas.
·        Levar as bulas dos medicamentos, para ter a certeza do que são e da data de validade. (Nunca me vou esquecer que na India estive mais de 3 dias com diarreia, que não passava mesmo tomando comprimidos para que parasse; porque esses mesmos comprimidos tinham lactose, e eu como intolerante sofri o efeito contrário ao desejado.) 🙄🤢

Prevenir é o melhor remédio! O ideal é que não usemos nenhuma das coisas que acabei de referir, mas sejamos realistas… as probabilidades são poucas. Não há nada pior do que entrar num autocarro para uma viagem de 15 horas e ter uma dor horrível de costas.

Este é o meu Kit de primeiros socorros para quando viajo!
Falta algo? Aceito sugestões!
Boas viagens!

*Este post baseia-se na minha experiência e contém apenas conselhos, não substitui de forma alguma uma consulta no vosso médico de família. 😉

Apps para quem viaja ✈️

Quando comecei nas minhas andanças pelo mundo, a primeira coisa que fazia quando chegava a uma cidade era ir a correr ao posto de turismo para pedir mapas e informações. Hoje em dia ainda mantenho algumas tradições, por exemplo nunca dispenso o meu Lonely Planet, que quase sempre já trás incluídos alguns mapas; no entanto reconheço que a minha forma de viajar mudou bastante. Com as novas tecnologias viajar é ainda mais fácil e qualquer pessoa com um smartphone, se pode orientar em praticamente qualquer lugar do mundo.
Hoje partilho algumas das aplicações que tenho no meu telemóvel, algumas simplesmente me facilitam a vida, umas contribuem para uma significativa diminuição de possíveis chatices, outras são apenas curiosas e todas em algum momento das viagens já me deram um jeitão!

  • Google Translate

Na verdade, quando vives num país estrangeiro (principalmente numa cidade onde se fala duas línguas), é possível usar esta aplicação todos os dias. Nas viagens, uso normalmente para a comunicação básica, como por exemplo para perguntar direções. Mas também é muito útil para traduzir o que realmente não entendemos, como os menus nos restaurantes. E não, não precisamos de escrever linha por linha, basta ativar a opção da camara fotográfica dentro da aplicação e centrar o texto. Automaticamente traduz tudo o que está na imagem. É realmente fantástico!

  • XE Currency 

Com esta aplicação é possível saber o câmbio de qualquer moeda e fazer a conversão para a que melhor nos convier. É muito importante, no caso de não sermos bons a fazer contas e cálculos matemáticos, previne enganos e gastos desnecessários.

  • Booking / Trip Advisor/ Airbnb 

Uso quase sempre o Booking para fazer reservas de sítios para dormir, é uma boa opção porque oferece preços competitivos, nem sempre tem que se pagar no momento e muitas vezes tem descontos de última hora. Aproveito para comparar com os comentários da aplicação do TripAdvisor, que costumam estar atualizados e bastante honestos. Esta aplicação também serve para pesquisar sobre restaurantes e locais de interesse.

No caso de preferir ficar em casa de alguém, a melhor APP que existe, é a do Airbnb. Funciona perfeitamente, é super fácil de utilizar e totalmente fiável.

  • Evernote

Sou adepta do bloco e da caneta, e em todas as viagens faço um diário; mas reconheço que a nível de espaço e peso é muito mais simples escrever tudo no telemóvel. Além disso, para quem tem um Blog, esta aplicação é perfeita, porque no momento em que nos conectamos à internet, faz um backup online de tudo o que escrevemos; e assim mais tarde podemos atualizá-lo diretamente.

  • Citymapper

Sempre usei o Google maps, mas agora acho que a citymapper é mais completa e mais fácil de usar. Dá informação detalhada sobre rotas em tempo real, alertas e problemas em transportes públicos; bus, metro, comboio, táxis, uber, etc. Temos uma visão geral da cidade e de todas as possibilidades que existem para nos deslocarmos com rapidez e eficiência. A sério que transforma uma cidade complicada numa bastante mais simples.

  • App in the Air 

App in the Air é uma aplicação de rastreamento de vôos, que possui a melhor cobertura de companhias aéreas e aeroportos. Mantem-nos atualizados sobre o estado dos nossos voos, ainda que não tenhamos conexão à internet; e ajuda a gerir todo o tempo até entrar para o avião (check in, embarque, etc). Dá bastante jeito a quem é mais distraído ou a alguém (como eu) que gosta de ir fazer compras de última hora e depois quase perde os voos. 🙈

  • LiveTrekker

Uso esta App por pura diversão e curiosidade, com ela é possível criar um diário das viagens num mapa interativo.

Regista todos os sítios onde vamos, desenhando uma linha vermelha no mapa com o percurso que fizemos. Também monitoriza a nossa velocidade e altitude, o que é engraçado para quem faz viagens mais aventureiras. Depois podemos adicionar fotos, vídeos, notinhas e textos; e criamos assim um diário de viagem multimédia.

  • Time Out

Descarreguei a Time Out quando fui o ano passado a Madrid e deu-me imenso jeito, agora uso-a também para Barcelona no meu dia-a-dia. Mas tem informação sobre cidades tão diferentes como Edimburgo ou Melbourne, Bangkok ou Las Vegas, etc. E este ano, estou ansiosa para a usar em Kuala Lumpur.

A aplicação é tão abrangente que podemos aceder a informação sobre restaurantes, atrações na cidade ou eventos que vão acontecer. É super fixe, porque temos a certeza que se estiver a passar algo fantástico na cidade que estamos a visitar, não nos vai escapar.

  • Hotspot Shield Free Privacy & Security VPN Proxy 

Quando viajamos nem sempre temos o acesso garantido a todas as páginas, alguns países bloqueiam sites básicos como o Google, páginas de bancos ou de operadores telefónicos. Uma das formas de contornar isto é aceder através de uma VPN (virtual private network), que supostamente nos dá o acesso em segurança.

Hoje em dia há muitas opções, umas gratuitas e outras a pagar, mas o Hotspot é bom porque não pede log in e é bastante fácil de usar.

Há muitas mais aplicações e há muitas variantes destas que sugiro. Recomendo o uso destas Apps, porque realmente quando estamos fora da nossa cidade é mais fácil simplificar do que complicar, e assim sobra-nos mais tempo para aproveitar cada pedacinho da viagem!

Bali & Gili


Às portas do verão e já com um calor abrasador aqui desde lado da península, hoje escrevo sobre Bali; chamam-lhe a Ilha dos Deuses, e eu chamo-lhe a Ilha que não sai de moda.

Aqui em Barcelona o pessoal continua a viajar ano atrás ano para este destino, como se fosse o paraíso na terra… e talvez seja mesmo! 

Se ainda não decidiram para onde ir nestas férias, aqui fica a minha sugestão! 

Fomos a Bali em 2014, e apesar de não estar na nossa “bucket list” temos um grande amigo que lá vive e já sabemos que onde temos cama e roupa lavada, há que ir sim ou sim! 

Há um fascínio qualquer à volta desta ilha, e é de facto espetacular, mas antes de falar das suas maravilhas, vou fazer uma pequena lista de algumas coisas menos boas, porque nem tudo são rosas: 

– Antes de chegar, o nosso amigo avisou-nos para levarmos 25 dólares trocados, para tratar do visto “on arrival” no aeroporto, no guia da Lonely Planet dizia 20USD; e na verdade quando chegámos lá cobraram-nos 35USD. Já se pode ver como vai a coisa na Ilha… 

– E quando fomos embora tivemos que pagar também uma taxa de saída… Sim, porque os balineses o que têm de relaxados, têm de espertalhões; e para pessoas como nós que à saída quase não tinhamos rupias, eles têm um aeroporto cheio de caixas multibanco.

– Quanto ao impressionante trânsito; (e eu que achava que já tinha visto de tudo na India), aqui é também escandalosamente caótico. Estradas estreitas, sem luz e sem passeios; muitíssimas motos em que se contam pelos dedos os ‘locais’ que usam capacetes, já para não falar que muitos são crianças com menos de 12 anos, que parece que já nasceram em cima de uma moto. 

– A comida pode ser deliciosa…ou não… muito à base de fritos e sempre com um ovo estrelado em cima; o que safa é a quantidade de peixe fresco e marisco que se encontra ao preço da “uva mijona”. 

– Apesar de ser uma ilha tropical, está completamente invadida por turistas, carros e motos. As praias mais conhecidas parecem a Vila Moura lá do burgo, massificadas por ocidentais a ver o pôr do sol, sentados em puffs a beber cocktails coloridos ou a tradicional Bintang. 

Enfim… até parece que não adorei, mas adorei! Só que infelizmente este é o preço que se paga pelo paraíso se tornar conhecido. 

Devo confessar que esta pequena lista que acabei de referir, praticamente não a vivi, contornei-a com a sorte de quem viaja a um sitio para visitar amigos que dominam o local. ❤ 

Em Bali vive o Hugo, nosso amigo francês com quem vivemos grandes histórias e aventuras em Barcelona até 2012. 
Quando chegámos ele namorava com a Puput, uma indonésia super simpática e aventureira, que mesmo sendo muçulmana, alinhava em quase tudo o que fazíamos e tinha uma mente muitíssimo aberta. Imagino que viver em Bali, a única ilha Indú das 17.500 ilhas, faz toda a diferença. 

Conhecemos um casal amigo, que também estava de visita vindos de Singapura, ele chileno e ela italiana; e juntos fomos os 6 de road trip pela ilha. Deixámos a mochila grande em casa do Hugo e com uma mais pequena montámos na moto e seguimos pela estrada fora. 

Foi uma experiência fantástica e indescritível, também porque começámos a viagem no dia 24 de Agosto, meu aniversário; mas principalmente porque saímos das estradas convencionais e turísticas, e vimos os caminhos alternativos, os templos menos conhecidos, os restaurantes locais no meio da estrada e as paisagens mais espetaculares. 

O H. teve que conduzir pela primeira vez do lado esquerdo da estrada e em caravana lá foram três motos por estradas desertas, no meio de campos de arroz, palmeiras e bananeiras; observados por macacos, lagartos, pássaros e borboletas gigantes com cores mais brilhantes que as do próprio arco-íris. 

Um dos pontos altos da viagem era subir a um vulcão e do cimo do Monte Batur ver o nascer do sol, uma das experiências mais duras e gratificantes que já tive. Metade do caminho pensei que não ia conseguir, mas desistir nunca foi uma opção (porque não dava para voltar para trás sozinha, no meio da floresta, às escuras com sombras e ruidos de animais). 😝
Uma experiência indescritível que durou 9 horas entre subir e descer, em que acabámos mergulhados nas águas quentes das termas vulcânicas, na base do monte. 

Sempre a dormir em casas locais, que de turístico tinham quase nada e de rústico tinham quase tudo. Inesquecível é um pequeno eufemismo, para descrever esta road trip em Bali. 

Foi uma sorte poder sair do roteiro turístico, e ainda que por um lado sei que quando visitamos amigos estamos um pouco limitados às escolhas que eles fazem, e ao que nos querem mostrar; tenho plena consciência que isto que vivemos em Bali, nunca o teríamos vivido se não fossemos com o Hugo. 🙏🏽😍

Depois de um par de dias de viagem pela ilha, apanhámos um barco em Padangbay para as Gili; umas ilhas paradisíacas, sem transportes motorizados, sem policia e com muita boa onda. 

Ficámos numas cabanas na Gili Air e tivemos 5 dias de relax total; dormir e acordar na praia, mergulhar para ver peixinhos e tartarugas, passear de bicicleta e pouco mais.

Nos últimos dois dias da viagem regressámos a Bali e o Hugo organizou uma festa numa luxuosa Vila em Semyñak, onde ficámos a dormir. 

 E se até àquele momento tínhamos visto o lado mais alternativo da ilha, os restaurantes onde se comia com as mãos, alguns sem wc, aldeias sem lojas, vários templos desérticos e tínhamos conseguido estar longe de toda a elite ocidental que habita em Bali… no regresso não pudemos escapar, e tenho que confessar que foi o Top do Top! 

Não sei como são as restantes ilhas da Indonésia, um dia descobrirei seguramente; mas acredito que Bali seja única. Com uma rica e artística vida cultural, danças exóticas, o espetacular mobiliário, objetos de decoração e esculturas impressionantes. Uma natureza bruta e tropical que se mistura com a tranquilidade dos arrozais e com um mar selvagem e apaixonante. 

Inicialmente não estava na nossa “bucket list”, mas depois desta experiência queremos sem dúvida voltar. 





Dicas pré-Ásia 

Há tantas coisas a ter em conta quando se prepara uma viagem, que poderia escrever vários posts sobre o tema. 
Tão importantes como a organização burocrática e logistica, são os temas socioculturais, que nos podem dar muitas dores de cabeça, caso não os tenhamos em atenção.

Hoje escrevo sobre dicas para viajar na Ásia, aquelas que normalmente nos dão os amigos que já lá estiveram e que provavelmente servem para quase todos os países. Muitas são dicas de bom senso, mas outras são também formas de evitar erros comuns que muitas vezes cometemos sem pensar. 

O sudeste asiático é um destino mochileiro, não só porque é exótico, com praias paradisíacas, boa comida e culturalmente diferente; mas principalmente, porque é barato. É possível viajar por esta zona do mundo durante 6 meses, com o que gastaríamos na Europa em apenas um mês.

Ser mochileiro e viajar com um orçamento limitado não quer dizer que sejamos menos educados ou conscienciosos. O facto de ser um destino de praia, não significa que na mochila se ponha três bikinis, um pareo, chinelos e dois vestidos. A maior parte dos países asiáticos, são conservadores, com  povos modestos e recatados que não têm por hábito mostrar o corpo nem sequer na praia. Em quase todos os templos tem que se entrar descalço, com os ombros e pernas tapados. O ditado “em Roma sê romano” deve-se aplicar e respeitar os costumes e tradições, para garantir uma receção hospitaleira e uma convivência amigável. 

Lamentavelmente, uma situação bastante comum é a de nos tentarem enganar; sejam taxistas, condutores de tuk-tuk ou donos de  lojas; para eles somos dinheiro com pernas e devemos manter-nos alerta, ainda que não seja necessário entrar em paranóia. Lembro-me que antes da viagem à India, todos nos alertaram para nunca dizermos que era a nossa primeira vez no país. E a verdade é que durante toda a viagem nos perguntaram várias vezes se era a primeira vez que ali estavamos. Dissemos sempre que já tínhamos ido outras vezes, e isso acabou por dissuadir os espertalhões. 

Em Bangkok um condutor de tuk-tuk insistiu que o Palácio Real só abria à tarde, e que primeiro nos levaria a passear pela cidade. Mandámos parar o tuk-tuk e apanhamos outro que nos levou ao, obviamente aberto, Palácio Real. Tenho muitas histórias deste género, e várias em que fomos enganados, mas a experiencia é a mãe de todos os ensinamentos. 

Por mais que nos digam que a realidade é totalmente diferente, há coisas que só vendo e vivendo; a pobreza é uma dessas coisas. O que senti ao ver as ruas de algumas cidades indianas, nenhuma imagem de nenhum documentário me tinha feito sentir.

 É sempre uma boa ideia contextualizar-se e ter informação antes de viajar para um destes países. Para, por exemplo, ter uma pequena noção do que passaram a maioria dos cambojanos a apenas algumas décadas. 

O sentimento de compaixão e solidariedade é fundamental para nos aproximarmos das pessoas da terra e compreender como sobreviveram e conseguiram continuar com a sua vida. 

A exploração turística é inevitável e hoje em dia muitos países vivem disso, mas se pudermos eleger atividades e atrações que não se aproveitem de nenhuma pessoa ou animal, pois que assim seja. 

A que custo tiramos fotografias abraçados a tigres? Ou em que estado estão os elefantes que nos carregam nos passeios pelos templos?

São animais selvagens, não são animais para brincar. São drogados e maltratados para obedecer ao Homem e cada turista que visita estas atrações, alimenta esta situação abusiva e aterradora. 

Assim como o consumo dos famosos licores com o reptil dentro da garrafa, que  sustentam o mercado negro de animais.

Reconheço que muitas vezes é complicado fugir de algumas situações; por exemplo em Siem Reap fui ao supermercado com um menino de rua para comprar leite. Ele escolheu a lata de leite mais cara que havia e provavelmente depois voltou a vendê-la ao supermercado, ficando com o dinheiro. Mas naquele momento, foi para mim impossível não “ajudar” aquela criança.

Há muitas formas corretas de ajudar, há diversos programas de voluntariado por todo o mundo, há ONGs que fazem trabalhos admiráveis com pessoas e com animais; mesmo de longe é possível “adotar” uma criança, enviar material escolar ou mantimentos, e assim minimizar um pouco a vida cruel que têm.

Como disse no início do post, o sudeste asiático é o paraíso dos mochileiros; transportes, hotéis e comida baratos. Tudo encaminhado para roteiros turísticos, que mesmo quando vamos por nossa própria conta, faz com que sigamos uma linha já delineada. Muitos viajantes acabam por não sair da rota do costume e deixam de ver outros paraísos. Não digo que não se vá aos destinos mais óbvios, eu quero ir a quase todos; mas se a felicidade está fora da nossa zona de conforto, imaginem o que se pode encontrar, quando já estamos fora dela…  Não acredito que se possa conhecer Bangkok se não sairmos da Koh San Road; e Bali não é seguramente a única ilha interessante da Indonésia…

A oferta de voos low cost é tanta, que mesmo que tenhamos uma limitação de tempo para viajar, não temos porque ficar apenas num sítio e podemos sempre dar um pulo ali ao país vizinho. É só pesquisar!

Viajar pela Asia fez de mim uma pessoa mais tranquila e menos stressada, isto de querer controlar tudo, naquele continente é completamente impossível. Os transportes não respeitam os horários, o trânsito é caótico, a eletricidade falha a torto e a direito, as condições climatéricas fazem com que se altere rotas e destinos. 

Em alguns países é imprescindível ter jogo de cintura e deixar-nos ir com a maré. A minha primeira lição na Asia foi em Delhi, quando não conseguimos comprar os bilhetes de comboio para Agra, o que fez com que não visitássemos o Taj-Mahal. Foi na verdade a minha pior experiencia numa viagem, com suor e lagrimas à mistura, e uma assombrosa impotência por não me conseguir entender com aquele sistema, naquela assustadora estação de comboios. Depois desse dia, tudo ficou mais fácil. 

Um dos motivos que nos levou em 2014 a Bali foi o facto de termos um querido amigo a viver na ilha. Amigo esse que nos pediu para levar 1Lt de álcool cada um (quantidade permitida para entrar no país). Levámos uma garrafa de vodka e uma de rum e escusado será dizer que acabou logo na grande festa à chegada. Uns dias depois fomos ao supermercado comprar cervejas e percebemos que cada garrafa destas, em Bali, pode custar cerca de 50€. Se na Tailândia se come por 1,5€, não se bebe cerveja por menos de 3€; o álcool é sem dúvida uma das partes mais caras de uma viagem à Asia. 

Excluindo o álcool, tudo o resto é muito barato e começar a comprar pode ser uma perdição. Entre artesanato, imitações, bijuteria e outros acessórios, é possível voltar à Europa com as mochilas completamente a abarrotar. Diz-se que se deve sempre regatear, porque o valor inicial é sempre superior ao real; mas atenção: sem exageros, por favor! Se já é tudo muito barato, porque vamos estar a discutir por 20 cêntimos?! Como em tudo na vida há que ter bom senso e noção da realidade do sítio que estamos a visitar. 

Para finalizar, porque este post já vai longo, ao fazer a mochila devemos ter em conta que naquela zona do mundo faz quase sempre muito calor. Com exceção das zonas montanhosas, não vale a pena levar grandes agasalhos; nem roupas bonitinhas, nem saltos altos, nem ir carregados com demasiadas mudas de roupa, que depois nem chegamos a usar. 
O que sim faz falta é o papel higiénico, já que eles gostam da mangueirinha e ter sempre à mão um gel antibacteriano, para qualquer eventualidade. 

Nunca me vou esquecer que num “restaurante” na base do Vulcão Monte Butur, na Indonésia, onde eramos os únicos ocidentais; perguntámos pela casa de banho e disseram-nos que não havia, que podíamos fazer as necessidades no meio do mato. Respondemos que queríamos apenas lavar as mãos antes de comer; e então passaram um pequeno alguidar com água; mas antes de chegar até mim, passou por toda a gente que estava sentada ao balcão à espera da comida. Todos lavaram as mãos na mesma água… a única coisa que posso dizer neste momento é: Viva ao gel antibacteriano que anda sempre na minha mochila quando viajo!! 

Contagem decrescente!  [como organizo as minhas viagens] 

Sou naturalmente uma pessoa organizada e inevitavelmente também 100% organizadora. 

Está-me no sangue e não posso evitar; desde miúda que sempre gostei de inventar, pesquisar, descobrir e explorar o desconhecido. Ver até onde posso ir, até onde tenho capacidade de criar. 

Hoje em dia está tudo facilitado com o uso da internet, só não faz quem não quer. Pode-se aprender a tocar um instrumento vendo vídeos no youtube, aprender a cozinhar, fazer trabalhos manuais, falar novas línguas ou ter acesso a todo o tipo de informação relacionada com quase tudo. Viva a Internet!! 

E está claro que organizar uma viagem tornou-se também algo bastante simples de fazer. É apenas preciso curiosidade, dedicação e muita paciência; mas tudo o resto está on-line, é só procurar! 

Acho que uma das coisas mais importantes para organizar uma viagem, é ouvir as dicas de quem já lá esteve, é aprender com os erros dos outros e aproveitar a sabedoria das boas experiências. 
Todos temos amigos que já visitaram sítios onde queremos ir e esses são sempre os nossos melhores conselheiros. 

Recordo-me que quando fomos à India, pedimos sugestões a vários amigos (que nem se conhecem entre si) e houve um sítio que nos foi recomendado por três pessoas diferentes (uma portuguesa, um catalão e um israelita), o que obviamente despertou a nossa curiosidade: Hampi, uma “pequena” cidade no meio de Karnataka… Posso apenas dizer que incluí-la na nossa viagem foi uma das nossas melhores decisões. 

Se por acaso não temos a sorte de ter acesso a informação mais personalizada, há muitíssimos blogs de viagens que nos ajudam a ter uma visão mais clara sobre os destinos, depois basta cruzar tudo o que lemos e decidir onde queremos ir. No final deste post indico alguns blogs de viagens que costumo ler e que têm sempre boas dicas para os viajantes. 

Eu leio basicamente para aprender sobre os sítios onde quero ir e conhecer a perspectiva de pessoas de todo o mundo que já lá estiveram; mas também para decidir as coisas práticas da viagem: onde dormir, que transportes utilizar, alguma recomendação gastronómica ou algum conselho importante. 

O primeiro passo, depois de decidir o destino da viagem é começar a procurar  voos, para isso uso normalmente duas páginas: Skyscanner e Vuelos Baratos

Segundo passo é comprar o Guia da Lonely Planet, que passa a ser o meu livro de cabeceira durante os meses que faltam até à viagem. (este ano foi presente dos meus pais) 😍

Começa então a conta-atrás e muito que organizar!! 

Já passou um mês desde que comprámos os bilhetes para o Vietnam e já perdi a conta do número de blogs que li até agora, das vezes que olhei para o mapa e para o calendário para organizar os dias. Já mudámos o itinerário duas ou três vezes, já juntámos outro país à viagem e calculámos gastos para diferentes possibilidades.

Pode-se viajar de forma muitíssimo barata pelo sudeste asiático, mas quando já não se tem 20 anos, há algumas situações que para mim ficam automaticamente excluídas, e dormir mal é uma delas. 
Uso o Tripadvisor e o Booking para encontrar alojamento – sempre um quarto duplo com wc privado (nem sempre reservo, mas recolho alternativas que junto à informação do Lonely Planet, para mais tarde decidir). O pequeno-almoço incluído não é imprescindível (porque na Asia a comida é ridiculamente barata); mas um bom colchão sim que o é. 

Depois de carregar uma mochila durante várias horas, subir a comboios, motos e táxis, caminhar quilómetros a visitar cidades, é muito importante que o sítio onde vamos dormir seja confortável e limpo. 

Continuo a viajar de mochila e penso que assim continuarei durante muitos e longos anos, é a forma mais cómoda e simples de viajar. Mas sobre a mochila e o que levar na viagem, escrevo noutro dia. 

Quando já tenho o roteiro definido (que pode ser sempre alterado a qualquer momento) começo a ver formas de nos deslocarmos; como sou apaixonada por viagens de comboio, essa é sempre a minha primeira opção. Recomendo o site: Seat 61, que tem informação sobre os horários de vários países, tipos de comboio, e várias opções e comentários. É sem duvida o mais completo de todos. 

Se ao princípio leio sobre tudo, a cultura, a historia ou a gastronomia; com o passar do tempo vou restringindo a pesquisa apenas aos locais onde vamos, em busca daquele sítio especial que nos apaixonará quando lá estivermos. Aquele restaurante típico, o miradouro perfeito para ver o pôr-do-sol, ou aquela experiência imperdível. 

Normalmente tenho apenas 3 semanas para viajar e nunca tenho tempo para ver tudo o que gostaria, por isso tento organizar algumas coisas o melhor que posso, para que quando esteja em viagem, me possa deixar levar pelo imprevisto e desfrutar dos momentos surpresa, que são o que realmente dá chispa a viagem.

Uma das últimas coisas que faço antes de partir é procurar um seguro; já usámos o  Worldnomads em duas viagens e a verdade é que correu tudo bem e não precisámos de o ativar; mas é o mais recomendado por vários viajantes e blogs e parece-me que em relação a coberturas e preço está bastante bem. 

Este ano comprámos a voo já com seguro de viagem, o que também é uma opção interessante. Quando se viaja para o outro lado do mundo, com uma mochila e um guia na mão, o mínimo que podemos levar é um bom seguro, para o caso de ficarmos gravemente doentes ou precisarmos de ser recambiados com urgência para casa. 

Neste momento estou na fase de pesquisa, de investigar e descobrir tudo o que os países que vamos visitar têm para nos oferecer. É uma das minhas partes preferidas e posso dizer que o facto de ter já uma ideia geral do destino, não anula o espanto nem reduz o assombro quando lá chego. 

Penso que viajar é o fundamental, independentemente da forma como cada um o faça. Eu prefiro viajar ”por minha conta”, sem guias nem agências e com bastante flexibilidade. Prefiro ter eu todo o prazer de investigar e decidir o onde e o quando da minha viagem. Isto de viajar com a mochila às costas é algo que não tem explicação, transforma-se num vício que nos provoca uma felicidade absoluta, e quanto mais vemos, mais queremos ver.  

😍✈️

*Estes blogs têm sempre alguma informação interessante ou alguma dica especial. São viajantes que andam pelo mundo e escrevem o que realmente sentem. 

http://dontforgettomove.com/ 

http://www.myguiadeviajes.com/ 

http://www.wanderloveworld.com/ 

http://www.mochileandoporelmundo.com/ 

http://www.hastaprontocatalina.com/ 

http://marcandoelpolo.com/ 

*Também recomendo: 

Wikitravel: Informação sobre os países e dicas de viagem.

Visa HQ: información sobre vistos 

Air Asia: a melhor companhia para viajar pela Asia. 

Wanderlust em 2017! 

Como já é de conhecimento geral, uma das coisas que mais me dá prazer na vida é ver o mundo. Viajar e descobrir locais pela primeira vez, conhecer novos povos, hábitos, costumes e realidades. 

Se gosto, se está perto e é acessível, posso repetir vezes sem conta; caso contrário fica na memória e tomo nota que um dia quero voltar aquele sítio onde já fui tão feliz. 

Tenho inúmeros exemplos: mas posso resumir que na Europa a minha cidade de referência é Londres, passei lá várias temporadas, umas mais longas e outras mais curtas, mas sempre que posso volto e mato saudades. 

Fora da Europa há locais onde voltarei um dia, não sei quando, mas um dia seguramente voltarei a Varanasí, aos Templos de AngKor e a São Paulo; três dos sítios que mais me marcaram. Se posso voltarei a muitos mais; mas a limitação de tempo e dinheiro e a flutuação do nível das prioridades na vida, provavelmente farão com que não volte a muitos dos locais onde já estive. 

Há uns tempos, numa das muitas e deliciosas conversas que tenho com o meu pai sobre o mundo e a vida, ele disse-me algo em que eu nunca tinha pensado. Falávamos de viagens e das enormes ganas que eu tenho de comer o mundo; e ele, que teve a sorte de poder viajar por vários países quando era mais novo, disse-me que agora olha para trás e percebe que nem sempre se trata de prioridades, de ter que eleger ou de fazer escolhas; às vezes simplesmente não depende só de nós. 

Há locais onde ele não foi e que neste momento já nem existem, há países que foram destruídos pela guerra, por catástrofes naturais; e o facto de não ter ido a tempo não dependeu dele, mas sim das circunstâncias. 
Os meus pais cresceram em Africa; e a Africa onde eles cresceram, eu nunca vou conhecer; a quantidade de animais selvagens que eles viram no seu habitat, eu nunca vou ver. A história, o tempo e a mão do Homem, encarregam-se de acabar com cenários que não têm como voltar a existir. 

Neste momento penso em todo o médio oriente, em todos os países árabes que gostava de visitar e onde agora mesmo me sentirei insegura se lá for. Não sei quando verei as pirâmides do Egipto, quando visitarei Petra, ou até mesmo Istambul…
Às vezes tenho pena por não ter o tempo ou o dinheiro para poder viajar constantemente, mas mesmo que o tivesse, há sempre uma escolha a fazer e há sempre circunstâncias alheias à nossa vontade que nos impedem de fazer o que gostaríamos. 

Este ano estávamos bastante indecisos quanto ao destino da nossa viagem; eu tinha claro que gostava de voltar à Asia, mas sei que temos pendente as Américas há muito tempo, e lamentavelmente parece que assim continuará. 

Para mim, uma das coisas mais divertidas e interessantes de viajar é poder comunicar com as pessoas, é tentar entender como pensam e como funcionam as sociedades. Muitas vezes é difícil porque o facto de não falarmos a mesma língua limita o nível de entendimento, claro que a comunicação é sempre possível, nem que seja por mímica; mas quando se fala a mesma língua abre-se um mundo de oportunidades e experiências. 

Há quase 10 anos que falo castelhano e tenho em mim uma grande pena por ainda não ter ido a nenhum país hispânico, onde me possa misturar com a gente e partilhar a sua cultura. Mas sei que essa viagem chegará… já faltou mais! 

Este ano voltaremos à Asia porque a temos no coração, porque é pacífico e fácil de viajar, porque é bonito e barato e porque apesar de ser tão diferente da Europa, sentimo-nos em casa, cómodos e bem-vindos. 
Estávamos entre o Japão e o Vietnam e decidimo-nos pelo último depois de fazer contas à vida; o país do sol nascente ficará para outra altura. 

Num próximo post, porque este já vai longo, escrevo sobre o porquê de querer visitar o Vietnam e como estamos a organizar a nossa viagem de 2017. 

A ARTE DE RECEBER [o que não pode faltar no quarto de hóspedes]

Sei que já terminaram as festas e que a maior parte das pessoas já voltou à rotina, mas cá em casa o ritmo é outro.
Depois de receber os meus pais e uns amigos para as festas natalicias, recebi uma grande amiga logo no primeiro fim de semana de Janeiro. 

Cá em casa recebemos sempre muito e muita gente, é o que eu chamo de “boadição”; é uma espécie de maldição genética, mas que no fundo é uma coisa boa!  

Os meus pais também sempre foram assim, têm sempre amigos de visita ou familiares a passar temporadas.

Na verdade cresci desta forma e não só não me incomoda, como tenho todo o prazer em receber. Felizmente o H. é parecido comigo nestas coisas, e tem sempre os braços abertos para as visitas. 

É verdade que já tivemos verões em que todos se lembraram de vir ao mesmo tempo, e passámos semanas em que não estivemos sozinhos mais do que dois dias. Confesso que também pode ser cansativo e obviamente uma grande despesa; não só as contas disparam, mas quando recebemos visitas, sentimo-nos um bocadinho de férias e fazemos vida de restaurante e bar, com mais frequência do que o habitual. 

De qualquer forma, vejo o facto de receber muitas visitas, como um privilégio e um sinal de que temos muitas pessoas queridas na nossa vida. Além disso, como tenho o lema de visitar os amigos espalhados pelo mundo, o mínimo que posso fazer é receber os que cá vêm, de braços abertos. 

Nunca me vou esquecer que quando fiz aos 18 anos o interrail, ficámos amigos de 2 miúdos no comboio a caminho de Paris; e que sem perguntar (porque naquele tempo nao havia telemóveis), ofereci a casa do meu primo para eles dormirem. Chegámos a Paris e eu com a cara mais inocente do mundo disse:

-Rui, em vez de 3 somos 5!

E o meu querido primo Rui, que vive num T1 no centro da cidade, disse:

-Têm que dormir todos no chão da sala, mas onde dormem 3, dormem 5! 

E assim aprendi desde cedo que ter pouco dinheiro para viajar, não é sinónimo de que se deixe de o fazer. E também, que se tenho um tecto e um colchão, pois é bem vindo quem vier por bem! 

Com a experiencia fui melhorando as minhas técnicas para receber. Não só com as visitas que recebo, mas também com as casas onde já fui recebida. Obviamente que viver a experiencia Airbnb, como anfitriã e como hóspede foi também uma escola na arte de receber. 

Hoje em dia, quando tenho que preparar o quarto de hóspedes, há coisas que para mim são imprescindíveis. Faço uma lista, caso alguém precise de umas dicas para a próxima vez que receber visitas. 

– Cama feita de lavado e com jogo de lençóis e fronhas a condizer.

– Toalhas limpas (uma de banho e uma de rosto)

– Uma manta extra caso seja inverno

– Cabides para pendurar roupa e se possível uma gaveta disponível

– Cadeira ou Banco para sentar ou pousar coisas

– Espaço para arrumar a mala de viagem

– Uma luz de presença perto da cama

– Um espelho

– Um cesto com itens de primeira necessidade (escova e pasta de dentes, champoo, sabonetes, creme hidratante, pequenas amostras, lenços de papel, etc) 

– Jarra de água e copo

– Umas flores para alegrar o quarto (opto por flores secas, porque as flores de plástico parecem-me horríveis, e as frescas duram pouco) 

– Guias ou Mapa da cidade

Isto são apenas algumas das muitas possibilidades que há. O que não falta são detalhes que se pode ter, para tornar a estadia dos nossos convidados mais cómoda. Tudo depende muito do gosto pessoal, mas também do espaço que se tem. 

O nosso quarto de hóspedes é pequeno e além dessa função tem também outras, como por exemplo a arrumação da roupa de casa, o lugar para guardar a ventoinha, o aquecedor ou o carrinho das compras. Sim, porque isso de ter um quarto apenas para as visitas é um desperdício, há que rentabilizar o espaço para quem realmente vive na casa, que somos nós.

Por isso, procurámos alternativas para que o quarto ficasse cómodo, mas que também servisse para as outras funções que lhe damos. 

Por exemplo, não tem mesa de cabeceira, mas tem uma luz ao alcance de quem está na cama. Não tem armário, mas é possível pendurar roupa à mesma. Como quase tudo na vida, com imaginação e boa vontade dá para fazer coisas muito fixes. 

Enfim, penso que neste mês de Janeiro já não teremos mais visitas, mas melhor não falar demasiado porque hoje ainda só é dia 13!!! 

Viajo&Visito [Lanzarote]

Desde sempre tenho o seguinte lema: 
– Onde temos amigos, vamos! 
Normalmente tento visitar todos os amigos que tenho espalhados pelo mundo, uma viagem 2 em 1 sai mais económica e tem muito mais graça. Viajo e Visito! 

Já perdi algumas oportunidades, que agora não sei quando voltarei a ter: 

– Não visitei Istambul quando tinha lá o Pet e não visitei o Ecuador, quando vivia lá a Joana. 

Ainda não fui a Angola, nem à Argentina; em ambos países tenho amigos e familia para visitar. 

Mas pouco a pouco, vamos tentando eliminar os que faltam, por isso aproveitámos o fim de semana prolongado com ponte e feriado e fomos até Lanzarote. 

Temos há mais de 5 anos uma grande amiga a viver lá. Uma amiga que trocou o continente pela ilha, a cidade pela praia, o verde pelo vulcão. Trocou uma vida cheia de coisas por uma vida cheia de outro tipo de coisas. Vive numa casa em frente ao mar, onde todos os dias o namorado faz surf, onde as cadelas correm livremente pela terra vulcanica, onde a paisagem desértica não acaba nunca e onde no horizonte, o mar entra pelo céu adentro. 

Lanzarote é uma ilha diferente de todas onde já tinha estado, é uma ilha onde a terra é negra, seca, tórrida e agreste. Não há árvores, não há massa verde, não há nada tropical, sem ser o calor abrasador; que no final de Outubro permitiu que voltássemos a reviver um verão cheio de sol e nos banhássemos nas águas tépidas do Atlântico. 

 Ao início custou-me habituar à ausência do verde, mas aos poucos percebi que a ilha tem um encanto especial. Que as estradas no meio do deserto são totalmente ‘à filme’, que todas as casas de todos os ‘pueblos’ são brancas, e isso dá um charme e uma identidade única à ilha, e que o facto de não haver prédios faz com que estejamos onde quer que seja, consigamos sempre ver vulcões à nossa volta.   

O sul da ilha é 100% voltado para o turismo; praias, restaurantes e bares com menus em inglês e alemão. No norte da ilha há uma população de locais e residentes mais alternativa; surfistas, pescadores, desportistas e pouco mais. Na ilha as distrações são poucas, ou se dedicam a uma destas atividades, ou provavelmente morrem de tédio, porque não há muito mais para fazer. Para uma pessoa de cidade, como eu, esta excessiva tranquilidade tem data de validade.

Exatamente 5 dias, que foram os que passámos em Lanzarote! Não foi muito tempo, mas foi o suficiente para ficarmos com uma ideia da ilha, vermos as atrações principais, darmos uns bons mergulhos, comermos as delícias das canárias, matarmos saudades e ficarmos com vontade de voltar novamente. 

Uma Lisboeta no Porto

O Porto é uma daquelas cidades com os 3Bs: bom, bonito e barato!
A cidade que um dia foi taciturna, manhosa, cheia de carôchos, e com um ambiente inseguro e intimidante, está agora completamente diferente. 

Este último foi um fim de semana em família, eu e a mana apanhámos o avião desde Barcelona e os nossos pais, o comboio desde Lisboa; juntos fomos celebrar ao Porto o aniversario da nossa mãe. 

Esta foi a 5a vez que fui ao Porto e foi a primeira em que apanhei realmente bom tempo, 2 dias com um quente e luminoso sol, que fez com que a cidade ficasse ainda mais bonita.

O Porto nos últimos anos rejuvenesceu, com edifícios reabilitados, ruas arranjadas, fachadas restauradas; passeios e praças cheios de esplanadas e turistas por todos os lados. Uma cidade com uma cara nova, mas que assim como Lisboa mantém aquele encanto ‘underground’, meio velho meio novo, arranjadinho mas descuidado, bonito e feio ao mesmo tempo. Um “je ne sais quoi” que não se explica, só vendo com os nossos próprios olhos. 

Tal como já tinha constatado em Lisboa, parece mesmo que o mundo descobriu o segredo mais bem guardado da Europa: Portugal – um país cheio de tanta coisa e com um potencial incalculável. 

O Porto é ligeiramente mais barato que Lisboa, as pessoas são efetivamente mais simpáticas, mais simples, e talvez até mais divertidas. Por muito que me custe admitir, acho que nós Lisboetas somos mais sérios e sisudos. Enfim, mas como diz uma amiga: nós temos outros encantos!

Nestes 2 dias fizemos algumas das muitas coisas que o Porto tem para oferecer. Alugámos um apartamento airbnb entre o Mercado do Bulhão e a Estação de S.Bento, melhor localizado impossível! Comprámos um Tour de Bus turístico, algo que foi a segunda vez que fiz na vida; (a primeira foi em Sevilha também com os meus pais); mas percebi que quando se tem pouco tempo e quando as pernas já não aguentam maratonas, os Bus Turísticos são a melhor opção. 

O Tour era para 2 dias e incluía: 2 rotas por toda a cidade do Porto, V.N.Gaia e Matosinhos, podendo sair e entrar quando quiséssemos; um passeio de 1 hora em barco no Rio Douro passando pelas 6 pontes e uma visita as Caves de Vinho do Porto Calem. E com os tickets tinhamos também acesso aos transportes públicos. Tudo por 24€! Vimos a cidade de ponta a ponta e ficámos com uma ideia do que queremos visitar numa próxima vez, com mais tempo e atenção.

Para comer recomendo os restaurantes em frente à Lota de Matosinhos, peixe grelhado verdadeiramente delicioso.

A melhor francesinha dizem que é feita no Café Santiago, em frente ao Coliseu. Fomos provar, e depois de 20 minutos de fila à porta, posso dizer que realmente é bem boa, assim como tudo o que comemos lá e com um serviço 5 estrelas. 

Para o pequeno almoço ou uma merenda a meio da tarde, deve-se ir a qualquer pastelaria tradicional, onde se pode encontrar todas as iguarias portuguesas, que nos ajudaram a matar as saudades.

A zona mais turística, como por exemplo a Ribeira, lamentavelmente é como em todas as outras cidades; os preços sobem, a simpatia diminui e o falta de profissionalismo muitas vezes aumenta. Mas depois contemplamos aquela vista maravilhosa para o Douro e rendemo-nos totalmente à Invicta.

Numa das vezes que fui ao Porto lembro-me que comi no Café Majestic, que é deveras majestoso, e deslumbrei-me com a impressionante arquitetura da Livraria Lello, tudo isto sem pagar mais do que o que comprei ou consumi. Agora já não é possível, ambos os locais têm porteiro e cobram entrada. Dá-me muita pena que a massificação do turismo faça destas coisas. De qualquer forma, para quem não conhece e visita o Porto por primeira vez, considero locais obrigatórios. 

Assim como as caves de Vinho do Porto, que numa breve, mas muito interessante visita guiada de 40 minutos, ajuda-nos a ficar com uma ideia de como funciona o processo e aprendemos um pouco mais sobre o vinho.

Termina com uma degustação de 2 vinhos diferentes, num ambiente agradável, descontraído e multicultural.

Dois dias passaram muito rápido, mas além destas atividades tivemos ainda tempo para caminhar pela animada Rua das Flores, por Santa Catarina, zona dos Clérigos, Ribeira e pelo Cais de Gaia.

No entanto ficou muito por ver, a começar por Serralves, que é um dos locais de Portugal que tanta vontade tenho de visitar, mas lamentavelmente ainda não foi desta vez. 

Sendo assim, fica prometida uma próxima viagem ao Porto, uma cidade tão linda e encantadora, diferente de Lisboa mas igualmente apaixonante.