[17 anos e um piercing no nariz] Back to the young’s! 

A adolescência é aquele período em que tudo é vivido com mais intensidade do que em qualquer outra altura da nossa vida. 
Apaixonamo-nos pela primeira vez, as amizades são eternas, as promessas feitas de verdade; qualquer problema é um drama e qualquer alegria pode transformar um dia perfeitamente normal, no melhor dia da nossa vida. Todos os verões são inesquecíveis e cada ano na escola, a transformação é visível e sentida. 

Estamos a crescer a passos largos (ainda que não nos dêmos conta) e a caminhada para a idade adulta é fascinante. (se soubéssemos nessa altura o que nos espera!!).

Eu adorei a minha adolescência, saudosos anos em que a minha mente criativa estava sempre tao desperta. Sonhava em salvar o mundo, escrevia dia e noite, e fazia planos com as minhas amigas para quando um dia fossemos mais velhas. Não havia preocupações, poucas responsabilidades além de estudar e ter boas notas e o melhor de tudo, tinha a inocência própria de quem ainda não viveu quase nada. Fui uma adolescente privilegiada, com muita liberdade e rodeada de pessoas especiais, com quem vivi momentos inenarráveis.   

Esta semana tenho a minha sobrinha, de 17 anos, a visitar-nos; que me fez retroceder 17 anos na minha vida e lembrar-me como era sensacional ser jovem. Cheia de sonhos e certezas, cheia de vida e com aquele brilho nos olhos, próprio de quem vê tudo pela primeira vez. 
Depois de dois dias de estar em Barcelona disse-nos que queria fazer um piercing. 

Eu quando tinha 15 anos voltei da Escócia com um, e de regresso a Lisboa, depois de três horas de raspanete da minha mãe; a vida continuou. Por isso não me pareceu que pudesse ser um drama furar o nariz, muito pelo contrário, pareceu-me algo perfeitamente normal aos seus irreverentes 17 anos. 

A liberdade de nos exprimirmos artisticamente como bem nos apeteça, é um direito básico; e decorar o nosso corpo, com tatuagens ou piercings; desde que seja com responsabilidade e bom gosto, não tem porque ser um problema. 

Uma das coisas que aprendi desde pequena é que não se deve julgar ninguém pela aparência, que o que importa é o que está dentro da nossa cabeça e do nosso coração. 

Em Barcelona é fácil pôr isto em prática pois é uma cidade extremamente aberta e tolerante, cheia de pessoas diferentes, onde nos valorizam pelas nossas capacidades e atitudes. 

Esta foi a mensagem que passei à minha sobrinha, o importante é o que levamos cá dentro!







   

 
   
    
    
   

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s