[ashes to ashes]

Antes de sair de casa há menos de 2 horas atrás, olhei para o telemóvel para ver a aplicação do bus e vi uma mensagem do El País a “informar-me” que o David Bowie tinha morrido. E foi assim que uma segunda-feira, que só por si já não é o melhor dia da semana, se transformou num dia ainda mais triste. 

Bowie era o imortal, era aquele que se reinventava, se atualizava e se mantinha sempre em alta. 

Para mim foi uma referência durante uma fase muito importante da minha vida, e antes disso; influenciou todos aqueles que me influenciaram a mim. 

Um pouco mutante, meio-humano, homem das estrelas; chamemos-lhe o que nos apetecer, porque ele era vários, era muitos e era um pouco de todos nós. Era aquilo que não mostramos normalmente, aquilo que levamos dentro e só sai em frente ao espelho; sozinhos entre as quatro paredes do wc, numa noite de loucura…

A inevitável questão do passar do tempo, faz com que me entristeça o facto de sobrarem cada vez menos lendas vivas, cada vez menos referências musicais; artistas tão completos e fontes de inspiração para uma vida menos aborrecida, mais fora dos padrões convencionais de uma sociedade tantas vezes cínica e castradora. 

Vão-se os grandes, fica a obra!

  

Anúncios

One thought on “[ashes to ashes]

  1. Pingback: ‘David Bowie Is’ em Barcelona <3 | Palavras na Barriga

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s