[A NOSSA CAMPERVAN] Bem vindos às Portas Abertas do Colectivo Bajel – 01-07-2017 


No início de 2016 fomos à Holanda e trouxemos uma carrinha Fiat Ducato, completamente vazia por dentro, com a intenção de a transformar em autocaravana. 

Levávamos meses a desenvolver este projeto a meias com a Ana e o Hugo; e ainda que o povo diga que “amigos, amigos – negócios à parte”; a verdade é que não posso imaginar outras pessoas com quem gostaria de fazer isto. No meio de tanta coisa que se passou neste último ano e meio, este projeto mostrou que acima de tudo, a amizade e o respeito, falaram sempre mais alto. 

Como todos os projetos, este começou com fantasia e otimismo, mas também com muita inexperiência e falta de conhecimento. 

Entre encontrar um espaço para trabalhar em Barcelona e gerir a questão burocrática da mudança de matrícula, inspeção e afins, passou praticamente meio ano. Mais vários meses para perceber a questão da homologação com gás, água, etc, etc, etc.. 

A ideia inicial era terminá-lo em mais ou menos 6 meses, mas o tempo continua a passar e a nossa furgoneta ainda não está pronta para a estrada. Mas sem stress… 

Felizmente o Hugo é um verdadeiro pró, e nas suas mil habilidades inclui-se o desenho do projeto interior e toda a logística de compras e prioridades. Ele e o H. vão normalmente 3 vezes por semana, ao final do dia, para o Ateliê trabalhar na construção da caravana, depois de um dia inteiro de trabalho. E por mais que tentemos dividir as tarefas pelos quatro; sem eles, era obviamente impossível realizar um projeto assim tão complexo. 

A verdade é que há muitíssimas questões a considerar quando se mergulha num projeto deste género; o tempo disponível quando também se tem um trabalho das 9am-6pm; o orçamento oscilante e crescente que nunca mais acaba; e as inevitáveis mudanças na nossa vida que condicionam as circunstâncias da mesma. 
Às vezes penso que teria sido muito mais fácil comprar uma campervan já pronta… Mas não, nem sempre o mais fácil é o melhor; nem sempre o mais fácil é o que nos dá mais prazer. Construir esta caravana do zero, está a ser uma aprendizagem, um desafio e uma importante lição. E quando estiver pronta, será um sonho tornado realidade. 

Tinha pensado em escrever sobre a nossa Campervan quando estivesse terminada, mas escrevo antes porque o espaço onde a estamos a construir estará, este sábado dia 1 de Julho, com as portas abertas. 

Chama-se Colectivo Bajel, e encontrá-lo foi o melhor que nos podia ter acontecido; não é fácil encontrar vaga num co-working destas dimensões e com estas características no centro de Barcelona. É uma nave industrial no Bairro de Poblenou, onde cada artista tem o seu espaço e trabalha individualmente; mas sempre com muito bom ambiente e camaradagem. 

No próximo sábado, do meio-dia às 22h, poder-se-á visitar o espaço, ver o que cada artista faz no seu ateliê e viver o ambiente artístico. Nós lá estaremos, com a nossa Campervan a celebrar um dia de portas abertas onde poderemos mostrar orgulhosamente este nosso projeto. 
É bem-vindo, quem vier por bem! 

10 Dicas para organizar uma Road Trip 

Este verão vamos fazer uma viagem de carrinha pelo norte de Espanha, conduzir sem pressas, acordar todos os dias num sítio diferente, adormecer ao lado do mar e despertar com os primeiros raios de sol, é um sonho tornado realidade! 

Tenho tatuado no braço a frase: “On the Road”, porque sou completamente apaixonada pelo livro do Jack Kerouac e pela filosofia de viajar pela estrada fora, aberta a novas experiencias e livre para descobrir pessoas e lugares que nunca antes vi. Gosto muito de viajar de mochila, apanhar um avião e acordar do outro lado do mundo; mas também gosto de arrancar por aí, com a casa no porta-bagagens e ir parando onde me apetece. São dois tipos de viagens diferentes, mas com a mesma essência. 

Viajei muitas vezes de carro com os meus pais quando era mais nova, conheci meio Portugal, e grande parte de Espanha e França, ao som dos Beatles e outros grandes sucessos. Na altura como era miúda, não me dava conta da logística que é necessária para se fazer uma viagem de carro, mas agora vejo que é sempre preciso um mínimo de organização, para que tudo corra bem e para que não tenhamos surpresas desagradáveis. 

No verão de 2001 fizemos uma viagem durante 1 mês, numa Renault Expresso Azul, de Lisboa até Tavira. Descemos pela nossa saudosa Costa Vicentina, parámos onde nos apeteceu, alimentámo-nos de latas, frutas, saladas e outras coisas rápidas; umas noites dormimos na carrinha com sal no corpo e outras em parques de campismo, onde podíamos montar a tenda e tomar um duche. Foram as primeiras férias com o H. no nosso primeiro ano de namoro; uma viagem inesquecível, onde a liberdade de decidir – o quê, quando e como – nos mostrou que ambos queríamos o mesmo da vida. 

Passaram 15 anos e neste momento, ainda que se mantenha o nosso espirito de aventura, a curiosidade pelo desconhecido e uma vontade constante de ir onde nunca fomos, já começamos a precisar de um mínimo de conforto e organização. 

Por isso neste post, faço uma lista das 10 coisas, que para mim são necessárias quando se faz uma Road Trip, deixando obviamente sempre aberta a possibilidade de improvisar. Pode ser que ajude outros viajantes, ou que pelo menos inspire alguém a sair pela estrada fora. 

1- Decidir a Rota: Isso de sair sem destino é muito bonito e romântico, mas há que pelo menos saber se vamos para a direita ou para a esquerda. Escolher uma rota não é tarefa fácil, quando se tem pouco tempo e muitas opções interessantes. Este ano vamos usar a técnica da “popularidade inversa”, quanto mais popular sejam os locais, mais nos vamos afastar deles. Assim, facilmente eliminámos os destinos mais óbvios e turísticos. 

2- Antes de arrancar não nos podemos esquecer de algumas coisas básicas, como: 

· Limpar o carro 

· Fazer uma revisão no mecânico 

· Preparar uma caixa de ferramentas 

· Preparar uma bolsa de primeiros socorros 

· Protector solar e óculos de sol, (sempre imprescindíveis) 

· Uma garrafa de água vazia e uma cheia 

· Mapa das Estradas 

3- Agora que já sabemos onde queremos ir e temos o transporte preparado, há que fazer um mínimo de investigação, para não perdermos o que realmente nos interessa: aquela praia virgem de difícil acesso, aquele restaurante imperdível ou o miradouro onde se vê o pôr-do-sol mais bonito de toda a viagem. 

4- Mesmo tendo uma lista de atrações, praias, restaurantes, museus e outros locais a visitar; uma das coisas mais importantes numa road trip é estar atento a todas as dicas que os locais nos podem dar. Se estamos parados em algum sítio, pode ser boa ideia meter conversa com quem passe e perguntar onde se come bem nessa terra. Se virmos um caminho alternativo podemos sempre segui-lo, pois o pior que pode acontecer é termos que voltar para trás. O melhor?! Pois há uma infinidade de respostas… 

5- Fazer listas. Eu sou perita nisto das listas, adoro e acho que me organizo muito melhor se antes faço uma lista das coisas que preciso; sejam compras, tarefas ou atividades. O bom de viajar de carro é que se pode levar muitíssimas coisas; o que pode também tornar-se bastante perigoso, uma vez que como em qualquer outra viagem, o melhor é ser objetivo e prático, levando o mínimo possível. 

6- Preparar uma Playlist – um dos pontos altos de qualquer viagem de carro, é conduzir ao som de uma grande música. E se, como eu, vamos de copiloto, queremos sentir aquela indescritível sensação de ficar a olhar para a paisagem a passar, enquanto cantamos emocionados, as canções da nossa vida. 

7- Hoje em dia há uma coisa “maravilhosa” que se chama: APP. Existe uma para tudo e mais alguma coisa. Nós descobrimos várias interessantes, por exemplo uma que indica os locais apropriados para estacionar e dormir dentro de autocaravanas; e outra que mostra todas as praias de uma determinada região e informa de que serviços dispõem: se tem wc, duchas, restaurantes, se o acesso é difícil ou se é muito populosa. Já para não falar do GPS no telemóvel, mapas, apps de restaurantes, trilhas para caminhadas, e uma imensidão de aplicações que nos podem facilitar imenso a viagem. 

8- Plano B – por mais que nas férias reine a descontração, há que estar preparado para alguma eventualidade, por exemplo furar um pneu num local perdido no mapa, ter alguma urgência médica, apanhar uma carga de água, ou como nos passou uma vez em Ibiza, um incendio impedir-nos de aceder a uma determinada parte da ilha. 

Dicas: se saímos do país e estamos dentro da Europa, o que aconselho vivamente é fazer o Cartão de Saúde Europeu. E para que estejamos sempre contactáveis, não custa nada levar um adaptador e carregar os telemóveis no isqueiro do carro, em vez de ser no wc do parque de campismo, como fizemos “toda la vida”. 

9- É importante não nos esquecermos que numa viagem de muitas horas, durante muitos dias na estrada, há sempre necessidade de ir mordiscando qualquer coisa. O ideal é ter uma mala-geleira, onde vamos pondo gelo para refrescar pequenos snacks e garrafas de água. Podemos sucumbir às batatas fritas e bolachas, mas também há alternativas saudáveis, como peças de fruta, cenoura descascada, ou até mesmo tomate cherry com bocadinhos de queijo. 

10- Para finalizar, há que ter em atenção o orçamento, por mais idílica que seja a nossa viagem, sem dinheiro não se vai a lado nenhum. Recentemente a conversar com uma amiga, que viajou de ‘furgoneta’ 3 meses pela América do Sul, contou-me a técnica que usou e pareceu-me genial: – Estabeleceu um determinado valor para gastar na viagem e quando chegou à metade, soube que era hora de começar a voltar para trás. 

       Há várias dicas para poupar durante uma Road Trip, mas isso ficará para outro post. 

Boas Férias a tothom!! 

*imagens tiradas do Pinterest